Biografia

1974 . Rio de Janeiro, Brasil
Vive e trabalha no Rio de Janeiro. Brasil.

 

Joana Cesar transpõe para seus trabalhos suas experiências mais íntimas, tal como fazia em seu diário aos 12 anos de idade. As mensagens cifradas do seu diário ganharam as ruas, os muros e viadutos com seu alfabeto secreto, que são marcas registradas da artista.

 

Se alimentando dessa vivência urbana, sua produção desdobrou em colagens, fotografia e vídeos, impregnados de pessoalidade, como seu alfabeto. Suas obras revelam acontecimentos que despertam a atenção da artista, e que registram, comentam e codificam os encontros: registros do passado, documentos da realidade e ficção.

 

Marcados por um traço de velamento, os trabalhos de Joana Cesar sobrepõem camadas de pintura e colagem, normalmente em técnica mista sobre madeira. É na sobreposição de papéis de embrulhos, restos de outdoor, fotos e desenhos novos e antigos que se dá o processo de construção de Joana, acumulando também memórias reais a histórias ficcionais.  A artista diz que seu trabalho “é um caminho para buscar e trazer à tona uma memória – que não vem; mas parece querer chegar”.

 

Joana Cesar (Rio de Janeiro, 1974) vive e trabalha no Rio de Janeiro. Dentre suas exposições individuais importantes estão: 2018 - Não uma, mas duas pessoas (Galeria Dotart – Belo Horizonte, Brasil); 2017 - Ruidosa Boca Fechada (Galeria Jaqueline Martins – São Paulo, Brasil)A Ponte (Onde Ele Disse Que Não Posso Ir) (Galeria Athena – Rio de Janeiro, Brasil).

Participou de diversas mostras coletivas, entre as quais: 2019 - Com o ar pesado demais pra respirar (Galeria Athena – Rio de Janeiro, Brasil); 2017 - Intervenções Urbanas (Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – Rio de Janeiro, Brasil); 2016 - Ao Amor do Público I (Museu de Arte do Rio – Rio de Janeiro, Brasil); 2012 - GramáticaUrbana (Centro Cultural Hélio Oiticica – Rio de Janeiro, Brasil), entre outras. Sua obra está na coleção do Museu de Arte do Rio (Rio de Janeiro, Brasil).
Obras
Exposições
CV

Exposições Individuais
2018

Não uma, mas duas pessoas – Galeria Dotart – Belo Horizonte, Brasil

2017

Ruidosa Boca Fechada – Galeria Jaqueline Martins – São, Paulo, Brasil
A Ponte (Onde Ele Disse Que Não Posso Ir) – Galeria Athena Contemporânea – Rio de Janeiro, Brasil

2014

Nome – Galeria Athena Contemporânea – Rio de Janeiro, Brasil

2013

Voragem – Galeria Athena Contemporânea – Rio de Janeiro, Brasil

2012

Fuga>Lenta – Galeria Athena Contemporânea – Rio de Janeiro, Brasil

 

Exposições Coletivas
2018

Com o ar pesado demais pra respirar – Galeria Athena – Rio de Janeiro, Brasil

2017

Intervenções Urbanas – Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – Rio de Janeiro, Brasil 
Diante do Desconhecido o Outro – Galeria de Arte Solar  – Rio de Janeiro, Brasil

2016

Experiência nº 9: Escritas Insignificantes – A MESA – Rio de Janeiro, Brasil
Ao Amor do Público I – Museu de Arte do Rio – Rio de Janeiro, Brasil

2015

Da Escrita, Delas, Elas – Museu da República: Galeria do Lago – Rio de Janeiro, Brasil

2014

Cultura Visual Urbana – Casa Shopping – Rio de Janeiro, Brasil

2013

6º Bienal de Arte de Búzios – Armação de Búzios, Brasil
3º Mostra do Programa Aprofundamento – EAV/Parque Lage – Rio de Janeiro, Brasil

2012

2nd World Creativity Biennal – Rio de Janeiro, Brasil
Manobras Poéticas – Galeria Athena Contemporânea – Rio de Janeiro, Brasil
Fotoff – Espaço Eu.Vira – Rio de Janeiro, Brasil
GramáticaUrbana – Centro Cultural Hélio Oiticica – Rio de Janeiro, Brasil

2011

Atemporal – Espaço Atemporal – Rio de Janeiro, Brasil
Conexão Atemporal – Portas Vilaseca Galeria – Rio de Janeiro, Brasil

 

Coleções Públicas

Museu de Arte do Rio – Rio de Janeiro, Brasil

 

Bibliografia
2013

CAMPOS, Marcelo; COCCHIARALE, Fernando; GEIGER, Anna Bella. “3º Mostra do Programa Aprofundamento”, EAV Parque Lage, Rio de Janeiro, 2014. p.30-31 e p.55 Catálogo da Exposição

2012

KLABIN, Vanda. “GramáticaUrbana”, Centro Cultural Helio Oiticica, Rio de Janeiro, 2012. p. 22-23. Catálogo da Exposição
KLABIN, Vanda. “fuga>lenta”, Galeria Athena Contemporânea, Rio de Janeiro, 2012. Folder da Exposição 
ESTEVES, Bernardo. “Grito Mudo no Muro”, em Revista Piauí, nº 65, Fevereiro. 2012